Como o Blackpink se tornou o Grupo de K-pop fashionista

Por Caíque Jota

Eu não sei vocês, mas eu nunca fui muito ligado em K-pop, mas depois de assistir o documentário “Blackpink: Light Up the Sky” da Netflix, eu simplesmente me apaixonei pelas meninas do grupo. Como eu amo conhecer novas culturas e novas formas de consumir arte (moda, musica e etc), eu fui estudar um pouco sobre essa cultura, para entender a trajetória delas e também entender como elas se tornaram o Fashion K-pop Group.

Três das meninas foram escolhidas pela LVMH para servir como embaixadoras em todo o portfólio de marcas de luxo do grupo Francês. Jisoo atua como embaixadora da Dior Beauty, Lisa representa a CELINE como embaixadora global e Rosé foi anunciada como a face global da Saint Laurent. A líder do grupo, Jennie Kim, carinhosamente apelidada de “Chanel humana” pelos fãs, cuida das funções de embaixadora da casa de Chanel. Mas como o BLACKPINK se tornou o grupo K-pop da moda?

Antes de responder a essa pergunta, vamos entender como o K-pop surgiu? A indústria da música K-pop faz parte do que agora é comumente referido como “Hallyu Wave (Korean Wave)”, cunhada pela primeira vez pelo Ministério da Cultura e Turismo do país e nascida da crise financeira asiática de 1997. Apesar de ter se transformado de uma nação devastada pela guerra na décima primeira maior economia do mundo, a Coreia do Sul foi uma das economias particularmente afetadas pela crise. O país foi beneficiário de um empréstimo de US $ 58,4 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI) como parte do programa da organização internacional para ajudar a estabilizar as moedas da Ásia, mas a dívida externa impressionante como resultado do empréstimo empurrou a Coreia do Sul para trás em uma nação em crise.

Com as medidas de reestruturação postas em prática pelo FMI como parte do acordo de empréstimo, a economia da Coreia do Sul mudou-se para o setor de entretenimento para se reconstruir. Novelas, filmes, jogos, indústrias de animação e música coreanas na forma de K-pop do Hallyu Wave introduziram um novo conceito de cultura popular transnacional. No primeiro trimestre de 1999, o crescimento do PIB da Coréia do Sul havia subido para 5,4%, o que, junto com a pressão deflacionária sobre a moeda, levaria a um crescimento anual de 10,5%, permitindo ao presidente Kim Dae-jung declarar a crise sobre o mesmo ano.

O fluxo cultural inicial do K-pop para os países vizinhos foi inicialmente considerado uma moda passageira. Mas a indústria explodiu graças às empresas de entretenimento que adotaram a tendência no início, como SM Entertainment, JYP Entertainment e YG Entertainment.

Fundada em 1996 pelo ex-CEO e membro do grupo de K-pop de primeira geração Seo Taiji and Boys, Yang Hyun-suk, a YG Entertainment em particular se tornou uma potência na indústria musical local. O grupo desenvolveu a icônica boyband Big Bang e o girl group 2NE1, que liderariam a continuação internacional do Hallyu Wave. Informado pelo sucesso de seus grupos estabelecidos, YG procurou construir em sua notoriedade internacional e experiência com BLACKPINK para liderar sua contribuição para o fluxo de 3ª geração do K-pop.

Jennie, Jisoo, Lisa e Rosé da BLACKPINK se tornaram a escolha do mundo da moda graças em grande parte ao apelo global com curadoria da YG Entertainment. Escolhidas por meio do programa de trainee da empresa (inclusive achei esse programa um tanto desumano, isso pode ser assunto para outro dia), as quatro se destacaram por seus talentos e personalidades individuais, que foram aprimorados como uma equipe.

O BLACKPINK difere de outros grupos de K-pop por ter apenas quatro membros, que também lideram o processo de composição e participam ativamente do desenvolvimento de sua coreografia. Mais recentemente, Jennie e Jisoo estiveram envolvidos na composição de “Lovesick Girls” do álbum, com Jennie também participando da produção da música.

Além disso, a YG Entertainment utilizou um grupo consumado de artistas e profissionais internos, incluindo TEDDY, Danny Chung, Vince, Bekuh BOOM, R.Tee e mais para criar o distinto som internacional do BLACKPINK. A música criada foi reconhecida tanto por fãs quanto por artistas globais como Lady Gaga, Cardi B, Selena Gomez, Ariana Grande e David Guetta, todos os quais contribuíram para o albúm de estreia do grupo.

Ajudando Jennie, Jisoo, Lisa e Rosé com o olhar da moda está o Stylist do BLACKPINK, Choi Kyung Won. Choi, que trabalhou com o grupo desde sua estreia, explicou sua estratégia em uma entrevista ao WWD: “É minha visão criar uma ideia realmente diferente com o visual delas para estar no em evidência na moda feminina na Coreia do Sul – para criar um novo marco.”

“O grupo é mais querido por quem segue a moda. Elas são para uma pessoa que sabe … BLACKPINK é mais para pessoas que apreciam estilo ”, explica ela. Este elemento do estilo do grupo é documentado pelas contas do Instagram, @blackpinksstyle e @blackpinkcloset, que possuem 414.000 e 191.000 seguidores, respectivamente, e detalham os looks da Stylist do grupo para fãs poderem “replicar” suas roupas. Fornecendo uma visão em primeira mão do poder de venda das meninas, Choi revelou que as marcas patrocinam os “looks de aeroporto” das meninas – uma ocasião única em que as estrelas do K-pop são fotografadas por paparazzi – “designers viram suas vendas aumentarem, então eles agora estão ansiosos para trabalhar com elas. ”

Finalmente, ao contrário de outros grupos de K-pop, Jennie, Jisoo, Lisa e Rosé também gerenciam suas próprias contas no Instagram, que servem como portas de entrada para os fãs se conectarem com os artistas que falam principalmente inglês. Juntos, os membros do BLACKPINK possuem 132 milhões de seguidores por meio da plataforma, representando seu alcance internacional.

As marcas de moda encontraram maneiras de usar isso a seu favor; mais recentemente, o Instagram de Jennie foi amplamente usado na promoção de sua colaboração “Jentle Home” com o nome de óculos sul-coreano Gentle Monster.

Como a crescente prevalência da mídia social ajudou a mudar a noção da interação entre as culturas pop globais e locais, o Instagram ofereceu uma plataforma para os membros do BLACKPINK se expandirem para além da Ásia, o maior mercado cultural para as indústrias culturais coreanas. Eles conseguiram encontrar pontos de apoio na América do Norte, Europa Ocidental e América Latina, regiões que agora abraçam ativamente a cultura popular coreana.

Com o lançamento do “The Album” acompanhado do documentário da Netflix Light Up the Sky, que chegou no dia 14 de outubro, o futuro do BLACKPINK só parece mais brilhante. Conforme Dior, CELINE, Saint Laurent e Chanel continuam a alavancar o apelo internacional de Jennie, Jisoo, Lisa e Rosé, podemos esperar vê-los aparecer em mais campanhas, eventos de semana de moda e até mesmo realizar colaborações. Mas, assim como o BLACKPINK fez sua primeira incursão no mundo dos jogos com o PUBG Mobile, setores cada vez mais inesperados estarão esperando que o grupo ajude a gerar impacto global.

Galpão Mag

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s